[ editar artigo]

Quem é que manda no Brasil?

Quem é que manda no Brasil?

Quem manda no Brasil não é o presidente da república. Aliás, ninguém do executivo e legislativo manda no país. Você deve estar imaginando que os comandantes são os togados do judiciário, mas não são eles. O país está sem comando? Pelo contrário, há comandantes, porém, não foram eleitos, escolhidos por algum critério ou relativo à mecanismos democráticos. Hoje quem manda no país são os caminhoneiros.

Devemos fazer justiça, afinal de contas, não foram os caminhoneiros que escolheram comandar nossa república, quer dizer, a república deles, mas a completa inabilidade de negociação que o comandante republicano demonstrou no episódio da greve dos caminhoneiros. Essa consequência foi agora espelhada no marco regulatório do transporte que rasga leis de forma explícita a atender reivindicações dos donos do pedaço.


Por que a greve dos caminhoneiros é um marco para a república?

Resultado de imagem para greve dos caminhoneirosveja.com


Ainda estamos revenerando a dissonante greve que foi realizada nos dez piores dias da história recente socioeconômica. Mesmo sendo passado, ainda ecoam ameaças sobre novas paralisações. E a incapacidade de acalmar os ânimos por parte do governo (dito oficial), foi evidente quando o judiciário chamou para si, na figura de Fux, o protagonismo deste impasse. Isso porque a internet vive levantando suposições sobre um novo levante insurgente contra a sociedade brasileira.

Sim. A greve dos caminhoneiros extrapolou qualquer direito adquirido pelo regime democrático. Os caminhoneiros instauraram a anarquia quando observaram a fraqueza de toda um sistema estrutural. Eles distorceram princípios e rasgaram as liberdades alheias ao fecharem as pistas de forma irresponsável sequer dando o direito o pensamento contraditório dentro da própria categoria.

Qual a consequência deste levante dos donos do Brasil? Prejuízos que para eles se espelham em meros números, mas para muitos produtores a destruição de um imenso patrimônio, investimento de vida. Viver em comunidade no Brasil virou um desafio maior do que a injusta carga tributária ou a dificuldade de prosperar com tanta burocracia no universo empreendedor. O desafio agora é ter confiança na pessoa que era sua parceira direta do seu negócio, ou seja, o responsável pelo transporte. Para o caminhoneiro, falar de prejuízo é falar de algo intangível, mas não percebe que ele matou a fonte de produtividade e seu segmento.

Os donos do Brasil não entenderam que a consequência deste levante virá daqui há dois ou três meses para sua realidade, mesmo com as vantagens bizarras que o novo marco regulatório do transporte traz diretamente a ele. Os caminhoneiros que quebraram o ano de 2018 em todos os aspectos, sofrerão ao longo de 2019. Porém, esta visão sistêmica está longe de ser exercitada por eles. Porque a necessidade imediata de resolver seus problemas emergências está além da responsabilidade de manter sua atividade próspera.


Resultado de imagem para greve dos caminhoneirosnotícias agrícolas


No primeiro semestre de 2019 teremos números que corroborarão essa visão. Ela será vista na quantidade de complacências que os caminhoneiros terão sobre o IPVA de seu veículo. Quer outra previsão? O volume de acidentes irá aumentar por conta da falsa liberdade sobre a pontuação da CNH da categoria  redefinida pelo novo sistema de pontuação. Quanto maior liberdade, maior será a taxa de irresponsabilidade nas estradas. Aliás, poderia aqui fazer várias previsões sobre as distorções que estas regras exclusivas aos donos do país terão no segundo semestre deste ano e no primeiro semestre de 2019, mas  prefiro discutir a falta de competência sobre aqueles que decidem.

Para responder a pergunta inicial, devo admitir que os mandantes no país são aqueles que demonstraram, através de uma reivindicação, o poder ao qual detém perante a ineficiência das autoridades governamentais. Infelizmente, um governo em desgoverno por conta da inoperância de todo um sistema de poder sem protagonistas, mas com muitos antagonistas.

Estado Cidadão
Rafael Cardoso
Rafael Cardoso Seguir

Um cidadão que deixou de ser passivo para trazer luz e ambiente à discussão social e político.

Ler conteúdo completo
Indicados para você