[ editar artigo]

O mundo da fake news crescerá nas eleições

O mundo da fake news crescerá nas eleições

O mundo da fake news crescerá nas eleições. Isto é fato e traz exemplos claros sobre os acontecimentos dos últimos dias. A grande dificuldade está na veracidade das informações, acompanhada da ansiedade de falar a partir destas notícias tendenciosas e bastante irresponsáveis.

Eu mesmo tenho dificuldade de encontrar respostas para as supostas notícias que invadem meu feed de notícias e minha timeline das redes sociais. Fico bastante preocupado em acreditar no fato pouco crível, mas também posso cair na armadilha.

Ontem, quando surgiu a avalanche de compartilhamentos relativa ao vídeo em que Gleisi Lula Hoffmann protagoniza para a rede árabe de televisão Al Jazeera, precisei de algum tempo para entender se aquilo era verdade. E depois precisei também fazer uma espécie de peneira diante de tantas chamadas sensacionalistas (chamadas que não tem nada a ver com o portal cômico Sensacionalista).

O problema da fake news é que ela se transforma numa arma poderosa de persuasão criando ecos passionais e difamatórios. Inclusive, essa arma pode ter versões bem mais perigosas por criar verdades mentirosas. Pode ser estranha a expressão verdade mentirosa, mas ela é fundada em produções qualificadas que produzem provas falsas.

Estou falando deste vídeo que traz Obama falando mentiras produzidas? Como? Assista ao vídeo e tire suas conclusões.

A fake news está todos os dias entranhadas nas redes sociais e vira verdade para muitas pessoas. A avalanche de mentiras que foram veiculadas no caso do assassinato de Marielle Franco ficou evidente como a distorção da realidade pode ser absorvida de forma fácil por pessoas.

Mesmo que haja o reconhecimento da fake news como uma praga da sociedade moderna, principalmente pela facilidade de anonimato que a internet dá aos produtores, ainda assim há proliferação de fake news como se fosse uma praga divina.


fonte: depositfotos.com


Seja como for, tivemos a recente polêmica envolvendo Gleisi Lula Hoffmann, senadora pelo Paraná, que fez uma entrevista em caráter de convocação para a televisão árabe Al Jazeera. Só isso já foi suficiente para sites e notícias surgirem dizendo que o PT estaria convocando a participação do Estado Islâmico para a guerra política no Brasil.

Leia aqui a polêmica:

Será que a Gleisi pirou?

O ponto a ser discutido está no comportamento alheio e na falta de ética que a nossa sociedade demonstra como chaga generalizada em qualquer esfera de discussão. Para se sustentar seu ponto de vista, pessoas compram as mentiras como verdades, replicam indiscriminadamente, e não se atentam para os absurdos contidos depois de 2 minutos refletindo sobre a atitude de acreditar naquilo.

Olhe o ponto de produção que está o nível da deep fake news, transformando a mentira em um contexto de veracidade. Como criar uma cultura de reflexão sobre estes parâmetros de passionalidade ideológica ou raiva e sentimento de injustiça sobre nossas vidas?

O Brasil é atualmente um hospedeiro perfeito para a fake news. Isso porque o enfermo governo não tem forças para ser um paladino da moralidade. Pelo contrário, virou a referência da desmoralização e do orgulho nacional. É motivo de chacota no cenário internacional, tamanho desprestígio em eventos representativos na ordem mundial.

Os agentes de transformação e combate ao fake news

Além da sociedade ter mais critérios para compartilhar informações, e isso ser fator predominante dentro do comportamento politicamente correto, ainda devemos incentivar os formadores de opinião a assumir também o caráter de didatismo.

Felipe Castanhari fez um vídeo há cerca de 1 ano sobre o assunto.

Eu sugiro que você entenda mais sobre o assunto antes de também precisar se desculpar com as pessoas de seu grupo social.

Se você acha que a fake news irá desaparecer, pode estar enganado. Isso porque enquanto tiver internet, enquanto tiver rede social, enquanto tiver anonimato virtual, teremos fake news. No entanto, você também precisa entender que nem tudo pode estar em sua timeline.

Assim como o youtuber acima fala, a checagem de notícias é bastante importante. Portanto, antes de compartilhar algo, veja se ela tem um fundamento concreto, principalmente em tempo de eleições. Cuidado para não acreditar em um novo golpe militar, um estado de exceção, uma conspiração terrorista vinda para o Brasil ou a morte falsa de Michael Jackson.

Do contrário, você estará na estatísticas de pessoas imbecis que compartilham bobagens sem entender as consequências desta atitude, inclusive atitudes criminais.

 

Estado Cidadão
Rafael Cardoso
Rafael Cardoso Seguir

Um cidadão que deixou de ser passivo para trazer luz e ambiente à discussão social e político.

Ler conteúdo completo
Indicados para você