[ editar artigo]

Como escolher o melhor deputado nestas eleições 2018?

Como escolher o melhor deputado nestas eleições 2018?

Estas eleições 2018 são as mais importantes das últimas décadas. Por isso, aqui estão listados 10 critérios muito interessantes para você melhorar a qualidade de seu voto e ter a certeza que estará escolhendo alguém com grande responsabilidade diante as eleições 2018.

Isso porque a fragilidade e a insegurança de um cenário político, além de ser também as primeiras eleições após o impeachment de Dilma Rousseff, demonstram o país envolto a clima polarizado e ainda em processo de investigação contra o mecanismo faraônico de corrupção sob olhares da Lava-Jato.

Por isso, é relevante termos condições para qualificar ainda mais o nosso voto. Afinal de contas, com melhores escolhas, criamos também um cenário político positivo para a nação brasileira. O que é um cenário positivo? Justiça e políticas de igualdade de oportunidades aos cidadãos.

Vale ressaltar também que estas eleições trarão grande relevância aos cargos legislativos. Isso porque eles serão a base política capaz de legitimar o próximo presidente da república e dividirão a herança maldita das irresponsabilidades deixadas pelo legislativo anterior.

Portanto, mais do que nunca, devemos ter consciência sobre os representantes das câmaras de deputados. Seja coerente com seu desejo para uma melhor nação e use critérios para escolher o agente político que ganhará sua confiança no dia 7 de outubro.

Vamos lá para os critérios que sugiro aqui?

Critérios para a escolha dos candidatos a deputado nas eleições 2018

Estabeleço aqui alguns caminhos para você se ater a melhor escolhas para os cargos de deputado federal e estadual. Desta forma, perceberá que este artigo não se trata, meramente, de metralhar aqueles que considero ser escolhas ruins para a câmara dos deputados federais e a câmara dos deputados estaduais.

1) Passado limpo

Hoje em dia é fácil você aferir, rapidamente, o passado dos candidatos. Basta ter acesso às informações do candidato de forma básica para fazer um breve levantamento das informações relativas até a suas pendências judiciais, ponto relevante para sua escolha atual.

Clique aqui e veja o passado dos candidatos.

2) Competência profissional

Mesmo que a democracia não crie impedimentos de natureza profissional para a ocupação de cargos políticos, devemos nos preocupar com a formação profissional dos futuros legisladores. Qual é a formação profissional capaz de dar a ele boa qualidade de julgamento sobre projetos de leis importantes para a sua respectiva comunidade. Isso é muito importante para trazer serenidade ao contexto político atual evidenciando um judiciário legislador e um legislativo anárquico.

Preste atenção em quem está entrando lá, pois o preparo e intelecto amadurecido fazem eles terem mais assertividade em suas decisões para o benefício do cidadão.

3) Engajamento com a comunidade

Ele conversa com as pessoas que pretende representar? Isso é importante para não eleger pessoas pouco atuantes nas comunidades e bastante expressivos em grupos políticos preocupados em sustentar o poder. Fuja dos agentes que se apresentam apenas em época eleitoral.

Tente qualificar seu voto pesquisando também na internet sobre as ações deste candidato perante a comunidade que ele quer representar.

4) Propostas coerentes com a função

Não adianta os candidatos fazerem inúmeras promessas se elas não condizem com o cargo que ele está se propondo a ocupar. Para exemplificar de forma muito simples, o candidato que estiver prometendo dentaduras ou cadeiras de rodas se for eleito deputado, estará demonstrando que não tem, absolutamente, conhecimento sobre o cargo ou está sendo irresponsável e demagogo com o eleitor que ele quer seduzir.

Fuja de promessas rasteiras e superficiais. Seu voto precisa ser bem mais assertivo ao perceber que os deputados legislam, ou seja, fazem leis e fiscalizam o poder público.

5) Coligações e parcerias partidárias e políticas

Vale lembrar também que o candidato faz parte de um ecossistema político além de seus olhos. Por isso, há grande chance dele ser corrompido, caso tenha uma bela trajetória de vida e carreira profissional, mas está diante uma legenda partidária bastante comprometida, eticamente falando.

Exemplo disso é a candidatura de Henrique Meirelles para presidente da república. Mesmo ele assumindo um patrimônio milionário, fruto de sua trajetória profissional, distanciando-se de qualquer interesse mais escuso para benefício próprio, Henrique Meirelles está no MDB, partido bastante açoitado pela Lava-Jato com inúmeros agentes políticos presos, réus e investigados por corrupção.

Neste caso, pouco importa o candidato Meirelles sustentar sua honestidade veementemente, ele sempre estará carregando o rótulo de fazer parte do partido que coparticipou do maior esquema de corrupção da história da humanidade ao lado do Partido dos Trabalhadores.

6) Trajetória cívica

Este candidato teve alguma atuação anterior em benefício da comunidade ou do segmento que representa por afinidade pessoal ou profissional? Isso é importante para você entender o processo de escolha para candidaturas mais responsáveis. Se o candidato tem uma história de atuação cívica em prol de algum grupo, segmento, área ou ordem representativa na sociedade, ele poderá ter seu voto de forma qualitativa.

Agora, se ele aparece somente na época das eleições, novamente, prometendo mundos e fundos, mesmo com a sintonia sobre todos os outros critérios acima, desconfie.

7) Preocupação com a ética

Hoje é extremamente importante a pessoa sustentar as ideias que prega. Se ela não concorda com os impostos altos no país, mesmo assim, ela deve ser um cidadão que esteja em conformidade com suas obrigações tributárias. Não se pode questionar quando há brechas.

Exemplo disso é o gerente de agência bancária que vive cobrando os correntistas de dívidas ativas dentro do banco. Como ele teria ética suficiente para cobrar as dívidas dos correntistas sob sua administração se ele estivesse também em dívida com o banco aonde trabalha? Veja como esta perspectiva também atinge grande parte dos candidatos hoje em dia.

João Doria Jr. prometeu várias vezes cumprir o mandato para prefeito da cidade de São Paulo. Ele feriu seus princípios éticos sustentados após a expressiva vitória em 2016.

Depois de tanto responder, Doria traiu tudo aquilo que pregou ante as eleições 2018. À princípio sinalizando, mesmo no início de seu mandato como prefeito, desejar ser o representante do PSDB para a presidência da república, Doria sofre grande rejeição do eleitor que confiou em suas promessas e seus posicionamentos proferidos na campanha eleitoral de 2016.

Doria não cumpriu a palavra, e de forma ética, deixou de ter credibilidade perante o eleitor paulista. Hoje é evidente isso nas pesquisas eleitorais que aferem as preferências dos eleitores para o governo de São Paulo.

8) Pouco apego ao poder

O candidato que está anos no poder, precisa ter bem claro a justificativa desta atuação. Do contrário, como seria possível ele dizer que não tem interesse pelo poder depois de tanto tempo atuando? Os candidatos que estão já atuando e se postam para reeleição em seus respectivos cargos demonstram como este critério precisa ser bem claro, pois pode trazer maior confiabilidade ao eleitor.

O político ou candidato que prega a continuidade sem demonstrar conduta ativa e expressiva, estará apenas trabalhando para benefício próprio. Exemplo disso são as conversas de grupos de WhatsApp relativas ao partido PATRIOTAS. Lá nas mensagens, o presidente do partido aconselha Cabo Daciolo de desistir da candidatura à presidência da república, pois deixará de se reeleger como deputado e perderá o salário pomposo que o cargo dispõe.

Afinal de contas, é inviável viver somente com o salário de bombeiro, de acordo com as palavras do próprio político responsável atualmente pela legenda partidária do Cabo Daciolo.

Logo, o que percebemos é a preocupação em ter renda e não projeto relativo aos interesses do cidadão.


Leia também:

• O papo de louco do Cabo Daciolo nas eleições 2018

• Como políticos condenados estão ainda no exercício de seus mandatos?


9) Ideias originais

Ideias sempre são válidas, principalmente, as originais. Ideias são a solução para problemas. Quando o candidato traz uma ideia original, ele está amadurecendo o Estado ao qual faz parte. Bom exemplo disso é o aplicativo Menor Preço do governo paranaense.

Ali, os cidadãos podem usar uma ferramenta de pesquisa de preços que beneficia a concorrência no comércio e faz o cidadão acessar a melhor oferta para o produto ou serviço que deseja.

Este aplicativo é do governo do Estado do Paraná. Uma ideia incrível ainda sendo conhecida pelos cidadãos.

10) Quem ele apoia para os outros cargos nas eleições 2018

Vale lembrar que este critério também é importante, mesmo que o candidato esteja em equilíbrio com os critérios anteriores desta lista de sugestões. Afinal de contas, a escolha do candidato também diz respeito àquilo que ele acredita ser melhor sob seu ponto de vista.

E estas escolhas revelam intenções, desejos e interesses que o candidato está defendendo diante as eleições. Por isso, é relevante que você saiba quem é a preferência do seu candidato em relação aos outros cargos do pleito.

Ratinho Jr. é um bom exemplo de atenção sobre as suas preferências, mesmo ele sustentado alguns dos critérios desta lista e se comportando de forma diferenciada dentro do governo de Beto Richa, este que hoje é alvo de investigações e preso na capital paranaense.

Obviamente, estes critérios são valores subjetivos pautados pelo meu ponto de vista. No entanto, você como cidadão responsável, pode também aqui promover maiores reflexões com sugestões de outros critérios ou pontos de vistas relativos a melhor escolha para o voto. Fique à vontade para comentar. Acredito que mesmo na divergência, há reflexão positiva sobre tudo que nos propomos a debater.

Estado Cidadão
Rafael Cardoso
Rafael Cardoso Seguir

Um cidadão que deixou de ser passivo para trazer luz e ambiente à discussão social e político.

Ler conteúdo completo
Indicados para você